O olhar de Ronaldo Honorio
Sou som, grão de sonho. Sou ilusório vestígio do céu.
Capa Textos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato
Textos
                 Soneto Outonal
 
 

Os trópicos sussurram sonolentos
Os ventos valsam as folhas perdidas,
Em indevidas venturas de eventos
Atentos olhos, lágrimas banidas.


Cabelos e lábios, sabor de menta.
Nada sustenta o tom amarelado
Viço bordado, amor que se reinventa,
Véu magenta a revelar meu pecado.


Toca a mata, varre o som da sonata
Varre vento este tempo revoluto,
Abstrata natura, polens de prata.


O balouçar da tarde, flor e idade,
Luz sobre tela, tez tão bela. O fruto,
Paixão outonal, musical brevidade!


 

Direitos Reservados - Lei 9.610 de 19/02/1998
Ronaldo Honorio
Enviado por Ronaldo Honorio em 07/11/2011
Alterado em 23/11/2018
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários