O olhar de Ronaldo Honorio
Sou som, grão de sonho. Sou ilusório vestígio do céu.
Capa Textos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato
Textos

O Milagre do Amor



Réu em pórtico, postulante de esperança.
Poetisa sorvendo cristais de orvalhos
Soturnos
Noturnos.
Sua arrogância poética oculta
O surto humanista, espinho de sua razão.
 
No pórtico lunar sob as colunas,
A brisa do milagre do amor.
 

Réu das cachoeiras, progênie de mitos,
Poeta feito árvore sem frutos, em primavera
Híbrida
Fingida,
Náufrago em restos de versos,
Suas dores em matizes vangoghianas!
     
No frio véu das cachoeiras,
Paira a brisa do milagre do amor.


 

 

Direitos Reservados - Lei 9.610 de 19/02/1998

Ronaldo Honorio
Enviado por Ronaldo Honorio em 18/02/2009
Alterado em 23/11/2018
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários